Terramedia

Atmosfera Rarefeita: A Ficção Científica no Cinema Brasileiro

  • Atmosfera Rarefeita: A Ficção Científica no Cinema Brasileiro
  • Modelo: DEV333093
  • Disponibilidade: Em estoque
  • R$57,00


Atmosfera Rarefeita oferece pela primeira vez uma história crítica do cinema brasileiro de ficção científica em curta e longa-metragem, das primeiras manifestações do gênero na filmografia brasileira até os casos mais contemporâneos. Nesse percurso, o livro investiga um mosaico de questões relativas ao desenvolvimento do gênero ficção científica no cinema brasileiro, seus principais obstáculos, desafios, superações e especificidades.

Um dos gêneros mais rentáveis do cinema industrial, a ficção científica é identificada com cinematografias economicamente poderosas. Ao longo de toda a história do cinema, ela tem gerado não apenas superproduções espetaculares e impulsionado o avanço tecnológico da sétima arte, mas também apresentando especulações provocativas a respeito da humanidade em sua relação com o presente, passado e futuro, com hipóteses de alteridade e com toda uma variedade de transformações e desafios configurados pela ciência e tecnologia.

A comparação com outras cinematografias nacionais é inevitável, no sentido de que o cinema de ficção científica surge aqui como um gênero notadamente vasto, heterogêneo e multiforme, muito além dos popularesblockbusters, repletos de efeitos especiais sofisticados, visualmente impactantes.

Mas para além de uma noção conservadora de gênero cinematográfico, a ficção científica se oferece como interface de análise de um amplo conjunto de filmes, uma arena de debates sobre a sociedade brasileira, sua relação com a ciência e a tecnologia e a produção nacional de artefatos culturais. Nesse sentido, o cinema brasileiro de ficção científica se apresenta como importante plataforma para a investigação da “cultura nacional”, da história do país e de suas mais notórias contradições, produto de uma “modernização conservadora” assombrada pelo antagonismo entre vetores arcaicos e ondas progressistas.

Atmosfera Rarefeita comprova a existência do cinema de ficção científica fora de Hollywood, bem como a pertinência de um debate mais detido sobre as manifestações do gênero no cinema brasileiro, latino-americano e mundial. Ao enfocar o cinema brasileiro e latino-americano de ficção científica,Atmosfera Rarefeita resgata a vocação universalista da ficção científica audiovisual.

Resultado de uma pesquisa inédita, Atmosfera Rarefeita: A Ficção Científica no Cinema Brasileiro oferece uma história crítica e delimita um território até então inexplorado, levanta questões sobre as peculiaridades dessa produção e os eventuais obstáculos ao seu desenvolvimento, além de examinar a configuração do gênero em outras cinematografias nacionais.

O livro apresenta 16 páginas de raro material visual relativo às produções nacionais de ficção científica que ele discute.

Elogio a Atmosfera Rarefeita, de Alfredo Suppia:

“O livro Atmosfera Rarefeita mostra o talento de um pesquisador de fôlego, verdadeiro arqueólogo a desencavar preciosidades e mostrar tendências insuspeitas e promissoras para o cinema brasileiro, a partir da instigante perspectiva da ficção científica. O livro contribui, assim, para a contextualização do gênero no cinema brasileiro, além de indicar possíveis perspectivas temáticas tanto para a ficção científica, como para o cinema feito no país.”
— Marcello Simão Branco, co-autor do Anuário Brasileiro de Literatura Fantástica, é professor da Universidade Federal de São Paulo (unifesp).

Sobre o Autor:

O Prof. Dr. Alfredo Suppia leciona Cinema da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). É membro da Sociedade Brasileira para os Estudos do Cinema e do Audiovisual (SOCINE) e da Science Fiction Research Association (SFRA). Ganhador do Prêmio Mary Kay Bray 2011 (de melhor resenha de filme original em língua não-inglesa) e terceiro colocado no Prêmio Jamie Bishop 2012 (de melhor ensaio crítico original em língua não-inglesa), é autor dos livros A Metrópole Replicante: Construindo um Diálogo entre Metropolis e Blade Runner (2011) e Cinema(s) Independente(s): Cartografias para um Fenômeno Audiovisual Global (2013). Suppia também criou a primeira revista acadêmica (eletrônica) brasileira voltada ao estudo da ficção científica e fantasia: Zanzalá (http://www.ufjf.br/lefcav/revista-zanzala).

Sobre a Coleção Enciclopédia Galáctica:

Em 2010, a Devir Livraria inaugurou a coleção Enciclopédia Galáctica, destinado a obras de não-ficção voltadas para a discussão, análise e registro dos gêneros ficção científica, fantasia e horror na literatura, quadrinhos, jogos, cinema e televisão. O selo busca fomentar a produção crítica a respeito desses gêneros e formas de expressão, em um momento em que cresce muito o interesse pela ficção científica, fantasia e horror no ambiente acadêmico e literário nacional.

O primeiro livro da coleção foi Visão Alienígena: Ensaios sobre Ficção Científica Brasileira, de M. Elizabeth Ginway, brasilianista e professora de Língua Portuguesa e Literatura e Cultura brasileira na Universidade da Flórida (em Gainesville). Ginway, a principal pesquisadora mundial de ficção científica brasileira, é autora do respeitado estudo Ficção Científica Brasileira: Mitos Culturais e Nacionalidade no País do Futuro (Devir, 2005).

A Enciclopédia Galáctica também publicou quatro edições do Anuário Brasileiro de Literatura Fantástica (2010 a 2013), dos autores Cesar Silva e Marcello Simão Branco. O Anuário é o principal registro e comentário do desenvolvimento anual das literaturas de ficção científica, fantasia e horror no Brasil.

Atributos
Formato
Autor Alfredo Suppia
paginas 384 páginas PB + 16 páginas coloridas
capa Brochura

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.